11 de jun de 2013

A ARTE DE ISMAEL NERY

Ismael Nery




Ismael Nery mudou-se para o Rio de Janeiro em 1909 e em 1918 matriculou-se na Escola de Belas Artes do Rio de Janeiro. Em 1920 viajou para Paris, onde frequentou a Academia Julian por um ano. No ano seguinte percorreu vários países europeus e a Palestina.

De volta ao Brasil, é nomeado desenhista arquiteto da antiga Diretoria do Patrimônio Nacional do Ministério da Fazenda. Começou a desenhar e a pintar em 1922, executando trabalhos expressionistas e cubistas até 1927. Neste ano viajou novamente para a Europa, lá permanecendo por vários meses. Durante este período se relacionou com pintores surrealistas e frequentou o ateliê de Chagall.


Nery, Ismael - Mulher Sentada com Ramo de Flores , 1927   / óleo sobre cartão  / 62,5 x 51,5 cm  / Coleção Cosette Alves


A partir do seu retorno ao Brasil, se inicia a mais importante fase de sua curta carreira. Expõe em Belém do Pará em 1928 e no ano seguinte no Pálace Hotel do Rio de Janeiro. No final desse mesmo ano realiza rápida viagem a Montevidéu e Buenos Aires. Em 1930 participa de uma coletiva enviada pelo governo brasileiro ao Roerich Museum, de Nova Yorque. Acometido de tuberculose, é internado no Sanatório de Correias em 1931, falecendo três anos mais tarde.


Divulgação


"Dançarina Russa", realizada entre os anos de 1922 e 1927, possui características expressionistas. Nesse trabalho Ismael Nery já se mostra dono de uma extraordinária segurança técnica e firmeza, fruto de sua convivência com os mestres europeus.

Fonte: www.bcb.gov.br


Nery, Ismael - Namorados - óleo sobre cartão, c.i.d.  - 34 x 26,2 cm  Coleção Rodolpho Ortenblad Filho (São Paulo, SP) 


Três poemas e pinturas de Ismael Nery


Confissão

Não quero ser Deus por orgulho.
Eu tenho esta grande diferença de Satã.
Quero ser Deus por necessidade, por vocação.
Não me conformo nem com o espaço nem com o tempo,
Nem com o limite de coisa alguma.
Tenho fome e sede de tudo,
Implacável
Crescente.
Talvez seja esta a minha diferença de Deus
que tem fome e sede de mim,
implacável,
crescente,
eterna

— De mim, que me desprezo e me acredito um nada.



Oração


Meus Deus, para que pusestes tantas almas num só corpo?
Neste corpo neutro que não representa nada do que sou,
Neste corpo que não me permite ser anjo nem demônio,
Neste corpo que gasta todas as minhas forças
Para tentar viver sem rídiculo tudo que sou.
— Já estou cansado de tantas transformações inúteis.

Não tenho sido na vida senão um grande ator sem vocação,
Ator desconhecido, sem palco, sem cenário e sem palmas.
— Não vedes, meu Deus, que assim me torno às vezes
irreconhecível a minha própria mulher e a meus filhos
a meus raros amigos e a mim mesmo?

— Ó Deus estranho e misterioso, que só agora compreendo!
Dai-me, como vós tendes, o poder de criar corpos para as minhas almas
Ou levai-me deste mundo, que já estou exausto.
Eu que fui feito à vossa imagem e semelhança.
Amém!


Nery, Ismael - Composição Surrealista , 1929  / óleo sobre tela, c.i.e.  / 67 x 56,5 cm  / Coleção Particular 


Poema para Ela


Acabaram-se os tempos.
Morreram as árvores e os homens,
Destruíram-se as casas,
Submergiram-se as montanhas.
Depois o mar desapareceu.
O mundo transformou-se numa enorme planície
Onde só existe areia e uma tristeza infinita.
Um anjo sobrevoa os destroços da terra,
Olhando a cólera de um Deus ofendido.
E encontrou nossos dois corpos fortemente enlaçados
Que a raiva do Senhor não quis destruir
Para a eterna lembrança do maior amor.


Pintor, poeta e filósofo

Primeiro e maior pintor surrealista brasileiro, Ismael Nery (1900-1934) nasceu em Belém do Pará e morreu no Rio de Janeiro, onde viveu desde os nove anos. Entre 1915 e 1920, cursou no Rio a Escola Nacional de Belas Artes. Vai a Paris e conhece Pablo Picasso e Fernand Léger, retornando em 1921 ao Brasil. Neste ano, conhece e se torna melhor amigo do poeta Murilo Mendes, de quem seria mentor espiritual e intelectual.

Em 1927, em outra viagem à Europa, Nery trava contato com integrantes do movimento surrealista, dentre os quais Marc Chagall. A partir deste encontro, que marcaria definitivamente sua obra, aprofunda a visão onírica em seus quadros e desenhos, recebendo também influências de Giorgio de Chirico e outros artistas ligados ao surrealismo. Em 1934, morre precocemente, vitimado pela tuberculose.

Espiritualista e criador do movimento neocristão batizado como ‘essencialismo’, Nery foi enterrado vestindo o hábito dos adeptos de São Francisco de Assis, de quem era profundo devoto. Dele, o crítico Mário Pedrosa disse: “"Era idéia em tudo, bailarino, pintor, arquiteto, poeta e filósofo, moralista e reformador social. Foi um artista total. Daí ter vivido tudo em potencialidades".

Na poesia, Ismael Nery foi considerado um poeta bissexto (autor que escreve eventualmente), mas a qualidade de seus poemas valeu-lhe um lugar na “Antologia de Poetas Brasileiros Bissextos”, organizada por Manuel Bandeira em 1946.

Viva a Arte!

By Lugouv.

Nenhum comentário:

Postar um comentário