6 de mar de 2012

A ARTE DE VITOR MEIRELLES

Vítor Meirelles




Natural da na cidade de Nossa Senhora do Desterro, Hoje conhecido com o Estado de Santa Catarina - Brasil, nasceu em  1º de agosto de 1832, onde o Brasil vivia uma época conturbada, cheia de revoltas - contra os regentes, a favor deles, pela volta de Pedro 1o, e até por uma certa autonomia regional. Vítor Meirelles de Lima nasceu nesse ano. Seu primeiro mestre de desenho foi o engenheiro argentino Marciano Moreno. Aos 15 anos, foi para o Rio de Janeiro e se matriculou na Academia Imperial de Belas Artes onde cursou de pintura histórica.

Como ainda não havia ensino superior no país, a saída era fazer faculdade na Europa, para quem podia pagar ou conseguia uma bolsa. Foi o caso de Vítor, que conquistou uma bolsa e foi estudar pintura na Itália e na França, em 1853. Em Roma, assistiu às aulas dos pintores Tommaso Minardi (1787-1871) e Nicola Consoni (1814-1884).

Quatro anos mais tarde, ganhou uma extensão da bolsa e matriculou-se na Escola Superior de Belas Artes, em Paris. Nas aulas com o mestre Leon Cogniet (1794-1880) e com Andrea Gastaldi (1810-1889), entrou em contato com a pintura purista, de desenho e cores mais suaves que na escola neoclássica, então em voga.

Meirelles estudou as obras dos artistas da Escola Veneziana, Ticiano (1488-1576) e Veronese (1528-1588).


Consagrado como pintor histórico, seu quadro mais reproduzido nos livros escolares é "A Primeira Missa no Brasil", feito durante sua estadia na França e exposto no Salão de Paris de 1861. Retrata a primeira missa da maneira como foi descrita na carta de Pero Vaz de Caminha, e muitos intelectuais do século 19 o consideraram como a primeira grande obra de arte brasileira.



A primeira missa


Nesse mesmo ano retornou ao Brasil e foi nomeado professor de pintura histórica da Academia Imperial de Belas Artes, no Rio. Exerceu o cargo até 1890 e formou uma geração de pintores importantes.


Combate naval de Riachuelo

 Duas de suas maiores telas, "Combate naval de Riachuelo" também conhecido como "Batalha de Riachuelo" e "Passagem do Humaitá" foram feitas nos anos seguintes.


Passagem de Humaitá

 
Batalha dos Guararapes


Batalha do Avaí (Pedro Américo)

Na Exposição Geral de Belas Artes, Vitor expôs a pintura "Batalha dos Guararapes" ao lado da "Batalha do Avaí", de Pedro Américo. A apresentação das duas obras, a primeira sobre a luta contra os holandeses e a segunda sobre a guerra do Paraguai, gerou uma grande polêmica, sobre quem seria o autor do melhor quadro.

Meirelles, cansado da pintura histórica, criou uma empresa especializada em pintar de panoramas, a partir de 1886: "Panorama Circular da Cidade do Rio de Janeiro" foi feito na Bélgica, em parceria com Henri Langerock (1830-1915) e "Entrada da Esquadra Legal no Porto do Rio de Janeiro em 1894". A Academia Imperial passou a ser Escola Nacional de Belas Artes, com a proclamação da República (1889), e os antigos professores, como Vítor, foram demitidos. Ele passou a ser marginalizado, visto como pintor da monarquia.


 Panorama Rio de Janeiro


Como professor, nenhum o excedeu em competência, na dedicação e nos serviços que prestou; nenhum exerceu ação mais útil no desenvolvimento do ensino da pintura, conseguindo, como ele conseguiu, formar maior número de discípulos. A sua vida, dedicou-a toda aos seus alunos e ao cultivo ardoroso de sua arte.



Nos seus últimos anos, pouco antes de falecer, tentou novo gênero de pintura, até então não executado entre nós, dando-nos, através de esforços inauditos, os seus inolvidáveis panoramas.


O Governo do país nunca foi indiferente ao merecimento do artista, e nunca deixou de o cercar de justa proteção. Deu-lhe várias encomendas remuneradas, adquiriu-lhe diversos quadros para a Galeria Nacional e cumulou-o de honras e distinções, tais como o hábito de Cristo, a comenda da Rosa e outras.


O grande pintor faleceu a 22 de fevereiro de 1903.





Viva a Arte!

By Lugouv.




Nenhum comentário:

Postar um comentário