10 de mar de 2012

A ARTE DE EDUARDO COIMBRA

Eduardo Coimbra

Projeto da instalação de Eduardo Coimbra, montada na praça Charles Miller, em frente ao estádio do Pacaembu, em SP

Eduardo Coimbra Nasceu em 1955 na cidade de Rio de Janeiro, RJ/BR - Fotógrafo, escultor, responsável por intervenções em espaços – arquitetônicos e naturais, como também pela criação de micro-espaços. Pode-se dizer que a paisagem é um dos denominadores comuns de sua obra tão diversificada. Mas de que trata Eduardo Coimbra quando trata da paisagem? Trata dela mesma ou dos recursos de linguagem, isto é, das representações que dispomos para tratar dela? Se for assim trata à distância. E haveria outra forma de tratá-la senão à distância? Segundo o artista, sim. É o que afirmam suas instalações ou, dito de um modo menos técnico, suas intervenções em ambientes fechados ou em áreas públicas, ou até mesmo em seus objetos, paisagens em miniatura que uma leitura superficial sugerem ser maquetes, representações, portanto. Mas não é disso que se trata, posto que são paisagens em outra escala que não aquela a que estamos acostumados. A questão é que idéias e imagens possuem autonomia em relação àquilo que representam. Têm a arbitrariedade própria da linguagem, possuem uma lógica tão rigorosa quanto flexível. Basta tensioná-las, invertê-las, lê-las de traz para diante como um palíndromo, para que desandem e apontem para aquilo que até então não se podia imaginar; para o significado variar em outra direção, insólita, absurda. Perpassa a poética de Eduardo Coimbra a idéia de que ao sobrepormos a linguagem ao mundo, termina-se por efetuar uma inevitável confusão entre ambos os termos. Este é o caso dos desenhos em branco cujas linhas são feitas a partir de pequenas ripas de madeira. A idealidade do branco e da geometria não chega a impedir seu desejo de ganhar corpo. O desenho, no geral construções imprevistas, opções geométricas absurdas, converte-se em coisa, objeto tangível.


Nuvem, 2008 - estrutura de ferro, impressão em lona translúcida, lâmpadas fluorescentes, espelhos - foto: Zeka Araújo

Criado-mudo, 2000 - madeira pintada, vidro - Coleção Gilberto Chateaubriand/MAM-RJ - foto: Wilton Montenegro







Viva a Arte!
By Lugouv.

Nenhum comentário:

Postar um comentário