11 de fev de 2012

A ARTE DE ANDRÉ BRETON

André Breton

Manisfesto ao Surrealismo - André Breton



"Não é o medo da loucura que nos forçará a largar a bandeira da imaginação."


André Breton Nasceu em 1896 na Cidade de Tinchebray, França e faleceu em 1966, Paris, França.

"Cara imaginação, o que mais amo em ti, é que tu não perdoas." Palavras do poeta André Breton, inventor do surrealismo - movimento literário que trouxe o inconsciente, a fantasia e o sonho para o domínio da arte.



"O acontecimento que com direito traz a cada um a revelação do sentido da sua própria vida, este acontecimento que ainda não encontrei, mas para o qual caminho, não se concebe ao preço do trabalho."


André Breton foi criado por sua avó materna e começou o curso secundário em 1906, no Collège Chaptal. Em 1913 ingressou no curso de medicina. No ano seguinte, publicou três poemas na revista "La Phalange".

Em 1915, com a Primeira Guerra Mundial, foi convocado para uma unidade de artilharia e, em seguida, mandado a Nantes para trabalhar numa enfermaria neurológica. Começou intensa correspondência com o poeta Guillaume Apollinaire.


Em 1917 foi enviado a um hospital psiquiátrico em Saint-Dizier, onde entrou em contato com a psicanálise de Freud. Com o fim da guerra, Breton voltou a Paris e começou a colaborar com o jornal literário "Nord-Sud". Em 1919, Breton fundou, junto com Louis Aragon e Philippe Soupault, a revista "Littérature".




"Passarei a minha vida a provocar as confidências dos loucos. São pessoas de uma honestidade escrupulosa e cuja inocência só encontra um igual em mim."

Dois anos depois, casou-se com Simone Kahn. Lançou o "Manifesto Surrealista", em 1924, tornando-se figura de proa nos meios literários. Editou também "A Revolução Surrealista", agregando artistas e intelectuais em torno de suas idéias.


Em 1926 André Breton conheceu Nadya, uma paciente psiquiátrica. Deste encontro resultou um livro, também chamado "Nadya", que sintetiza as principais obsessões de Breton: o acaso, o amor, as relações entre a vida e a poesia.




"Em primeiro lugar é o universo que deve ser interrogado sobre o homem e não o homem sobre o universo."




A necessidade de participação política levou Breton a ingressar no Partido Comunista em 1927. Depois de uma relação cheia de divergências com o partido, acabou sendo expulso em 1933. No ano seguinte, conheceu Jaqueline Lamba, com quem teria uma filha, "Aube".

No fim da década de 1930, o surrealismo começou a ganhar força internacionalmente. Com a invasão da
França pelos nazistas, Breton mudou-se para os Estados Unidos, em 1941. Ao fim da Segunda Guerra Mundial, empreendeu algumas viagens e retornou à França em 1946.

Em Paris deu continuidade ao movimento surrealista, organizando encontros e exposições e escrevendo poemas e ensaios.






Sinopse:O Manifesto do Surrealismo foi publicado em 1924, e trouxe para o mundo um novo modo de encarar a arte.

Seguido do Dadaísmo (movimento que propunha a oposição por qualquer tipo de equilíbrio), o surrealismo impunha o chamado automatismo psíquico, "estado puro, mediante o qual se propunha transmitir verbalmente, por escrito, ou por qualquer outro meio o funcionamento do pensamento; ditado do pensamento, suspenso qualquer controle exercido pela razão, alheio a qualquer preocupação estética ou moral".
Segundo Breton, ele e o escritor Soupault, deram o nome de Surrealismo ao novo modo de expressão que tinham a seu alcance, em homenagem a Guillaume Apollinaire.

Neste manifesto, os princípios surrealistas são declarados, tais como a isenção da lógica, a adoção de uma realidade superior, chamada "maravilhosa".





 Viva a Arte!

By Lugouv

Nenhum comentário:

Postar um comentário