2 de mar de 2011

A ARTE DE EDGAR HILAIRE GERMAIS DEGAS

 Degas

EDGAR HILAIRE GERMAIS DEGAS 


Edgar Hilaire Germain Degas (Paris - 19/07/1834 a 24/09/1917) é um Pintor, Gravurista e Escultor. Embora seja muito conhecido pelas suas pinturas, majoritariamente de carisma impressionista, é igualmente relembrado como gravurista. Muitos dos seus trabalhos se conservam hoje no Museu de Orsay/Paris/França, onde o artista nasceu e faleceu.

Prima Ballerina ou A primeira bailarina, cerca de 1878 - Exposta no Museu de Orsay - Paris

Edgar Hilaire Germain Degas é considerado vulgarmente como um dos impressionistas, todavia, tal afirmação revela-se um erro, visto que o autor nunca adoptou o leque de cores típico dos impressionistas, proposto por Monet e Boudin e para além disso desaprovou vários trabalhos seus. Pelo contrário, Degas misturava o estilo impressionista - inspirado em Manet - com inspirações conservadoras, com bases assentes na Renascença italiana e no  Realismo francês.  Mas à semelhança de muitos modernistas - desta época ou de outras, veja-se Matisse, que viveu posteriormente, inspirou-se muito nas odaliscas de Dominique Ingres. 

Dançarinas atando as sapatilhas, cerca de 1893-1898Museu de Arte de ClevlandOhio
Na primeira exibição impressionista, Degas constava na lista dos que ali tinham obras expostas. As suas obras reuniam uma gama de influências vastas e sem semelhança, onde sobressaiem as gravuras japonesas e os torneados humanos de Dominique Ingres. Como é de notar os quadros de Degas não surpreenderam tanto como os de Monet, por exemplo. O público não se espantava tanto com as suas pinturas; eram tão mais delicadas, sem a agressividade que viram nos outros trabalhos, fazia-lhes até lembrar a pintura histórica, os grandes mestres italianos  e o encanto dos franceses do setecento. 

Degas ficou conhecido por muito pintar bailarinas, principalmente, cavalos, retratos de família - dos quais o mais conhecido é Retrato da Família Bellelli - ou individuais (por exemplo, o Retrato de Edmond Duranty), cenas do quotidiano parisiense e cenas domésticas, como o banho (como A banheira), paisagens e pela burguesia de Nova Orleans. Todavia, durante algum tempo Degas aplicou-se a pintar as tensões maritais, entre homem e mulher (recorde-se O estupro e O amuo).

Na década de 60, Degas adquire finalmente o estilo que o tornaria famoso e diferente dos seus colegas: a pintura histórica. Apesar desse particular não deixou de continuar a pintar as cenas de ópera e concertos, mulheres e finalmente, as bailarinas. Sim, as famosas bailarinas que o tornaram um  pintor de renome. Desta série que perdurou ao longo do final do seu glorioso percurso artístico , as mais famosas pinturas são, sem dúvida, A primeira Bailarina e A aula de dança. Nestes trabalhos o francês aplicou-se vivamente nos tons vibrantes, que vigoraram vulgarmente ao longo da sua vida. Porém, durante este período os seus trabalhos tornaram-se muito expressivos, alarmantes, assustadores. Veja-se o caso do primeiro. A bailarina parece que voa e o ambiente em torno dela é inspirador e implacável. Um quadro vivo, uma obra-prima inquestionável.

É impossível esquecer Músicos da Ópera, uma verdadeira cena saída de um conto literário . Um particular interessante na pintura de Degas é o facto de conceder a cada personagem dos seus trabalhos uma atmosfera brilhante e eclética que faz com estas pareçam reais, móveis, tocáveis, inexplicáveis. Degas era, incontestavelmente, um mestre da pintura. Músicos da Ópera não foge à regra.

Até aqui era frequente utilizar pastel, todavia, durante a décade de 70 era mais frequente a pintura a óleo, nos seus trabalhos.

Devido à sua brilhante técnica, hoje, as pinturas de Edgar Degas são das mais procuradas pelos compradores de todo o Mundo. Em 2004 um trabalho de Degas de nome As corridas no Bois de Boulogne foi vendido na Sotheby´s  pela quantia espantosa de cerca de 10 milhões de Euros , ao lado de o Tomateiro , de Pablo Picasso  e de alguns outros trabalhos do seu eterno amigo-rival Edouard Manet.

(Fonte -Wikipédia, a enciclopédia livre)



Viva a Arte!

By Lugouv.





Nenhum comentário:

Postar um comentário